/

Desmatamento ilegal no cerrado do Piauí reduz 59% no primeiro semestre de 2023

Foto: Divulgação

O Piauí reduziu em 59% o desmatamento ilegal no cerrado no primeiro semestre de 2023, em comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo a Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), cerca de 30 mil hectares foram desmatados em 2023, até agora, contra mais de 70 mil hectares queimados nos primeiros seis meses de 2022. No Piauí, o bioma ocupa uma área de aproximadamente 132,8 mil km², cerca de 53% do território do estado.

Os dados foram apresentados, nesta quarta-feira (13), durante o Seminário Cerrado Vivo, realizado pela Semah para apresentar os resultados das operações de combate ao desmatamento do bioma cerrado no estado. O secretário do Meio Ambiente, Daniel Oliveira, e o auditor ambiental Felipe Gomes, explicaram os principais pontos do relatório sobre o assunto, no Centro de Educação Ambiental, zona leste de Teresina.

Daniel Oliveira atribuiu a redução do desmatamento a três ações da secretaria: aumento da fiscalização do órgão, integração com a Polícia Civil, Militar e órgãos ambientais federais e monitoramento das áreas queimadas por meio de satélite.

“Somente em multas, este ano, aplicamos R$ 52 milhões em produtores que praticaram o desmatamento ilegal”, disse o secretário.

O número de áreas embargadas, por detecção de supressão de vegetação nativa (desmatamento) chegou a 46 mil hectares no primeiro semestre de 2023, um crescimento de mais de 1.500% em relação ao total embargada no mesmo período de 2022, que foi de 2.900 hectares.

Leia também:  Governador Entrega 200 Viaturas e Reforça Segurança no Piauí

Como relação ao rigor da fiscalização, Daniel Oliveira destacou que a polícia do Piauí realizou prisões relacionadas a incêndios florestais ligadas à ilegalidade, o que contribuiu para inibir os infratores.

Com relação ao monitoramento por satélite, Daniel destacou que ele funciona 24 horas e logo que é flagrado um desmatamento, a Semarh verifica se está dentro da lei ou não. Caso esteja irregular, o órgão embarga a propriedade de forma remota, inclusive suspendendo o crédito que o estabelecimento rural tem com qualquer instituição bancária.

“Por meio de um convênio entre o Ministério do Meio Ambiente e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), solicitamos a suspensão de crédito a estabelecimentos que praticam o desmatamento ilegal”, frisou Oliveira.

Entrega de kits a brigadas de incêndio municipais

Leia também:  Comissões do Senado discutem violência escolar em audiência conjunta

Durante a solenidade, a Semarh entregou equipamentos de proteção individual (EPIs) para brigadistas e materiais de combate aos incêndios florestais para 10 municípios que celebraram acordo de cooperação técnica com o Estado do Piauí.

Foto: Divulgação
“Os equipamentos são imprescindíveis para equipar as brigadas de combate aos incêndios, pois os EPIs possuem um tratamento diferenciado antichamas, o que permite que o brigadista se aproxime do foco de fogo com segurança”, comentou Daniel Oliveira.

Os 27 kits com os EPIs foram entregues por Daniel Oliveira e pelo diretor de Fiscalização Ambiental e Controle Florestal da Semarh, major Dênio Marinho. Os municípios beneficiados foram Paulistana, Assunção, Uruçuí, Júlio Borges, Várzea Grande, Buriti dos Montes, União, Castelo, Baixa Grande do Ribeiro e Ribeiro Gonçalves.

Ainda durante o seminário, houve a posse simbólica dos membros da Comissão Estadual de Combate ao Desmatamento Ilegal.

Sane Araujo

Jornalista e pesquisadora, formada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Piauí.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Últimos artigos do Blog