/

G7 debate sanções à Rússia e ambições da China em Hiroshima

g7 em hiroshima

A cidade japonesa de Hiroshima está sediando a cúpula do G7 – as sete economias mais ricas do mundo – de sexta-feira (19) a domingo (21). O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, receberá os líderes das outras seis grandes democracias industrializadas para discutir questões como sanções à Rússia pós-invasão da Ucrânia, ambições da China em relação a Taiwan e desarmamento nuclear.

Os líderes dos países do grupo tentarão apresentar uma frente unida contra a Rússia e a China, mesmo com seus interesses diferentes. A situação na Ucrânia será o assunto principal nas discussões, incluindo reforço das sanções a Moscou. As conversações devem abordar também a questão das sanções contra o comércio russo de diamantes.

Outro tema em debate será como proteger-se de uma eventual chantagem econômica da China. Os países buscarão diversificar as cadeias de produção e abastecimento enquanto respeitam as relações comerciais com Pequim. A escalada de ameaças da China contra Taiwan também será discutida pelos líderes.

Leia também:  Aprovado pelo Congresso: Nova isenção do IR beneficia todas as faixas salariais

Desarmamento nuclear

O desarmamento nuclear é outro tópico importante que poderá ser discutido durante a Cúpula. É um momento para revitalizar o desarmamento nuclear em especial. O secretário-geral da ONU apelou aos países do G7 que declarem não usar armas nucleares sob nenhuma circunstância.

A visita ao Museu Memorial da Paz em Hiroshima está prevista para sábado (20). O primeiro-ministro japonês espera persuadir os convidados a se comprometerem com a transparência e redução dos arsenais nucleares. Fumio Kishida, cuja família é originária de Hiroshima, pretende usar a Cúpula do G7 para pedir um mundo sem armas nucleares.

Na cúpula em Hiroshima foram convidados oito países, incluindo Índia e Brasil, uma tentativa de conquistar líderes relutantes em se opor à guerra da Rússia na Ucrânia e às ambições militares crescentes da China. Durante o evento, os líderes depositarão flores no memorial das vítimas da bomba atômica.

Leia também:  Projeto das fake news tem votação urgente marcada para próxima terça-feira

A decisão de sediar esta cúpula no Japão tem um forte simbolismo, que traz uma mensagem importante para o mundo todo. A cidade japonesa de Hiroshima foi escolhida justamente por ter sido cenário de devastação durante a Segunda Guerra Mundial e sua seleção traz uma mensagem clara para que as guerras não voltem a acontecer.

Com informações de https://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2023-05/china-e-sancoes-russia-sao-pautas-da-cupula-do-g7-em-hiroshima

Meu Piauí

A Meu Piauí é uma revista online que apresenta e valoriza nosso estado, nossa cultura e nossa gente.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Últimos artigos do Blog