/

Hospital Infantil Lucídio Portella realiza aplicação inédita de medicamento mais caro do mundo para tratar AME

medicamento ame

No último domingo (30), no Hospital Infantil Lucídio Portella (HILP), localizado no Piauí, a pequena Heloísa Barbosa Mendes, com um ano e quatro meses de idade, recebeu uma dose importante do medicamento chamado Zolgensma. Essa medicação é fundamental para tratar a Atrofia Muscular Espinhal (AME) e é considerada uma das terapias mais avançadas para essa doença, além de ser um dos remédios mais caros do mundo.

Heloísa se tornou a primeira criança do Piauí a receber esse medicamento, enquanto o HILP se tornou o primeiro hospital público no Brasil a fazer essa aplicação através do Sistema Único de Saúde (SUS). A AME é uma doença genética rara que afeta os músculos e causa fraqueza progressiva, podendo levar à incapacidade respiratória e até mesmo à morte.

Os pais da criança, Keila Barbosa Mendes e Raimundo Reis Mendes, receberam o diagnóstico logo quando Heloísa tinha apenas 20 dias de vida. O casal já possuía outro filho internado no HILP com a mesma doença, então ficaram atentos quando Keila engravidou novamente. Graças às equipes médicas e ao Hospital Infantil Lucídio Portella, eles conseguiram realizar o tratamento em sua cidade natal ao invés de terem que se deslocar para Curitiba.

Leia também:  Plano Safra 2023/2024: R$364 bilhões para produção agropecuária sustentável

Essa conquista é extremamente significativa para o estado do Piauí e para todo Norte e Nordeste do país. Segundo Dirceu Campêlo, superintendente de média e alta complexidade da Secretaria Estadual da Saúde (Sesapi), essa é uma ação do governo para melhorar a qualidade de vida das crianças com AME na região. A aplicação do Zolgensma é feita de forma única por via intravenosa e difere dos outros medicamentos já disponibilizados pelo SUS.

A pediatra Lorena Mesquita, que acompanha o caso de Heloísa, explica que essa medicação tem apresentado resultados positivos em aspectos como respiração, mastigação, movimentos da língua, deglutição e fala. Além disso, o Hospital Infantil Lucídio Portella já é referência no diagnóstico e tratamento da AME, atendendo atualmente 23 crianças com Spinraza, outro medicamento utilizado no combate à doença.

Leia também:  Rebeca Andrade faz história como bicampeã mundial do salto, Biles fica com a prata

É importante ressaltar que a AME ainda não possui cura e as terapias existentes têm como objetivo retardar a progressão da doença. Portanto, é imprescindível que o tratamento seja iniciado o mais cedo possível. A AME tipo I, que corresponde à maioria dos casos diagnosticados, costuma se manifestar antes dos seis meses de vida.

Essa conquista marca um avanço significativo na área da saúde pública do Piauí e do país como um todo. A possibilidade de oferecer um tratamento tão avançado através do SUS traz esperança não apenas para Heloísa e sua família, mas também para todas as crianças que lutam contra a AME na região.

Com informações de https://www.pi.gov.br/noticias/hospital-infantil-lucidio-portella-e-o-1o-do-pais-no-sus-a-aplicar-remedio-mais-caro-do-mundo/

Meu Piauí

A Meu Piauí é uma revista online que apresenta e valoriza nosso estado, nossa cultura e nossa gente.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Últimos artigos do Blog