/

Reforma tributária: 82% dos municípios e 60% dos Estados ganham com mudança, diz Ipea

reforma tributária

Um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) simulou os impactos da reforma tributária no Brasil, considerando a arrecadação dos estados e municípios. Segundo o estudo, 82% dos municípios brasileiros e 60% dos estados teriam um aumento na sua participação no bolo tributário se as mudanças propostas pela Câmara dos Deputados forem aprovadas pelos senadores.

Uma das principais mudanças previstas é a unificação do ICMS e ISS em um novo imposto sobre bens e serviços. Essa medida beneficiaria principalmente as cidades com menor Produto Interno Bruto (PIB) per capita, fazendo com que cerca de R$ 50 bilhões ou 21% das receitas municipais sejam redistribuídos para essas localidades.

No entanto, algumas grandes cidades e estados, como São Paulo, seriam considerados “perdedores” nesse processo. No entanto, eles não teriam uma perda efetiva de arrecadação devido à longa regra de transição estabelecida. O estudo também aponta que a desigualdade entre os municípios seria reduzida em 21% caso a reforma fosse implementada.

Leia também:  Governo autoriza obras escolhidas pela população através do Orçamento Participativo

Os estados mais ricos seriam os que mais perderiam com as mudanças, uma vez que parte da arrecadação seria destinada aos municípios onde ocorre o consumo e não onde as empresas estão instaladas. Essa redistribuição tem como objetivo tornar o sistema mais justo e garantir que os impostos pagos pelos consumidores retornem para suas respectivas localidades.

A reunião entre os governadores do país, marcada para essa terça-feira, no Senado, tem como objetivo discutir a proposta de reforma tributária e tem sido aguardada com expectativa. Além dos governadores, prefeitos das capitais e maiores cidades também estão insatisfeitos com o texto aprovado pela Câmara.

O estudo do Ipea aponta que alguns estados e municípios serão potenciais “perdedores” com a reforma, mas as simulações realizadas mostram que nenhum deles teria uma queda efetiva na arrecadação devido à regra de transição estabelecida. O crescimento do bolo tributário nos próximos anos compensaria eventuais perdas.

Leia também:  Secretaria de Justiça do Piauí inscreve quase 2 mil reeducandos no Encceja 2023

No cenário mais pessimista considerado pelo estudo, apenas 32 cidades brasileiras correriam risco de ter uma arrecadação menor do que a atual ao final da transição. No entanto, mesmo essas cidades não sofreriam uma queda brusca de arrecadação, mas um processo lento de adaptação às novas regras.

Portanto, podemos concluir que a proposta de reforma tributária no Brasil busca promover uma redistribuição mais equitativa das receitas entre os estados e municípios. Embora alguns locais possam apresentar perdas temporárias, as simulações indicam que o sistema seria ajustado ao longo dos anos e resultaria em um maior equilíbrio na distribuição dos recursos.

NotíciaImpactos da reforma tributária
Estudo realizado pelo Ipea– 82% dos municípios e 60% dos estados teriam aumento na participação no bolo tributário
– Unificação do ICMS e ISS em novo imposto sobre bens e serviços
– Redistribuição de R$ 50 bilhões ou 21% das receitas municipais para cidades com menor PIB per capita
– Desigualdade entre municípios reduziria em 21%
Impactos para grandes cidades e estados– São Paulo seria considerada “perdedora”, mas não teria perda efetiva de arrecadação devido à regra de transição
– Estados mais ricos seriam os que mais perderiam com a redistribuição de arrecadação
Reunião entre governadores– Discussão da proposta de reforma tributária
– Insatisfação de governadores e prefeitos das capitais e maiores cidades com o texto aprovado pela Câmara
Simulações do estudo do Ipea– Nenhum estado ou município teria queda efetiva na arrecadação devido à regra de transição
– Crescimento do bolo tributário compensaria eventuais perdas
– Apenas 32 cidades correriam risco de ter arrecadação menor, mas processo de adaptação seria lento
Conclusão– Proposta busca redistribuição mais equitativa das receitas
– Sistema seria ajustado ao longo dos anos e resultaria em maior equilíbrio na distribuição dos recursos

Com informações de https://jornaldebrasilia.com.br/noticias/economia/rascunho-automaticoreforma-tributaria-82-dos-municipios-e-60-dos-estados-ganham-com-mudanca-diz-ipea-veja-lista/

Meu Piauí

A Meu Piauí é uma revista online que apresenta e valoriza nosso estado, nossa cultura e nossa gente.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Últimos artigos do Blog