/

Negociadores de Paz: Como reconciliar Brasil polarizado

Negociadores da Paz

As técnicas de mediação de conflitos estão sendo cada vez mais estudadas e utilizadas por pesquisadores, com resultados positivos em sua aplicação na sociedade.

Em um episódio do podcast Brasil Partido, que foi lançado nesta sexta-feira (19/05), serão abordadas as possibilidades de usar essas técnicas em uma sociedade tão polarizada quanto a brasileira.

Atualmente, existem vários cursos universitários e pesquisadores dedicados ao tema, com práticas que já ajudaram a acabar com guerras em diversas partes do mundo. Esses métodos também são utilizados para conciliações entre vítimas e ofensores, além de serem alternativas ao encarceramento no sistema judiciário.

Expert em mediação de conflitos

Afonso Celso Prazeres de Oliveira é um expert em mediação de conflitos, mesmo sem nunca ter estudado sobre o tema. Ele é síndico desde 1993 do edifício Copan, um dos maiores do Brasil, que conta com 1.160 apartamentos e cerca de cinco mil moradores. Afonso já passou por situações complicadas no passado quando o edifício era um ponto de tráfico de drogas e prostituição, mas superou esses problemas pela forma como lidava com as brigas entre os condôminos.

“Aprendi ao longo do tempo a ouvir as pessoas. Quando é necessário o silêncio, ele permanece. Salvo o contrário, (faço) uma ou outra observação, nunca desfavorável,” afirma o síndico.

Afonso segue preceitos dos especialistas na área como buscar ouvir todos os lados envolvidos e jamais tomar partido numa disputa.

Leia também:  Instituto CCR transforma vidas através do esporte

Comunicação não violenta

A comunicação não violenta também é uma técnica utilizada para mediar conflitos em diferentes ambientes. A consultora Juliana Calderón orienta que, na discussão sobre política, por exemplo, seguir princípios dessa filosofia poderia evitar muitos desses conflitos. Para ela, o problema de polarização política no Brasil está diretamente ligado à forma como as pessoas se comunicam. A comunicação binária e dualista impede que os dois lados da discussão tenham uma compreensão mais profunda do outro.

Joana Blaney e Mariana Pasqual Marques trabalham no Centro de Direitos Humanos e Educação Popular (CDHEP), em São Paulo e utilizam a comunicação não violenta para lidar com conflitos graves que chegam até a Justiça. Métodos utilizados pelas duas buscam reparar os danos causados pela violência e reconciliar todas as partes envolvidas no caso.

Leia também:  O Supremo Tribunal Federal inicia julgamento dos primeiros réus envolvidos nos atos golpistas

Em resumo, é importante aprender a se comunicar sem violência para solucionar brigas entre condôminos ou divergências políticas importantes, buscando sempre entender todos os lados envolvidos para chegar em uma conciliação efetiva. As técnicas de mediação de conflitos estão sendo cada vez mais utilizadas e estudadas por pesquisadores, com resultados positivos em sua aplicação na sociedade.

Com informações de https://www.bbc.com/portuguese/articles/clk4jygg21po

Meu Piauí

A Meu Piauí é uma revista online que apresenta e valoriza nosso estado, nossa cultura e nossa gente.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Últimos artigos do Blog